2009-02-14

Mário Crespo: Um ex bom jornalista...

1972, Mário Crespo (à esquerda) e o capitão (agora major) Mário Tomé



Na foto, substitua-se Mário Tomé por Alberto João Jardim -não tenho pachorra para fazer montagens- e essa será porventura a melhor metáfora imagética da entrevista da sic...



A propósito de um post abaixo publicado no desbobina, Mário Crespo assaltou-me o pensamento. O indivíduo está demasiado interveniente políticamente em relação ao que a matriz ética e deontológica do jornalismo o deveria permitir... E fá-lo, por um lado, catapultando ou servindo de rampa para certas figuras, como a abominável e cúmplice entrevista a João Jardim, e por outro lado, atacando inequívocamente Sócrates e os seus pares em artigos de opinião.

Pondo de parte o facto de eu próprio ser um acérrimo crítico de Sócrates e portanto até concordar em muitos pontos do artigo de Crespo, a verdade é que o referido artigo vem pôr a nú o jornalista e, com isso, certas atitudes e falta de profissionalismo recentes têm agora um enquadramento político evidente.

Lembro-me perfeitamente do clima de subserviência e adulação militar com que conduziu (ou melhor, com que foi conduzido) a entrevista a Jardim e, principalmente, aquelas constantes palmadinhas nas costas entre ambos. Agora parece-me evidente que Mário Crespo nada teve de ingénuo ao não colocar as questões verdadeiramente pertinentes na mesa...