2008-01-23

uma questão de altura...

...em plataforma ou em salto de espinho [ou agulha], objectos de uso de dia a dia ou grande objecto de fétiche, amados ou odiados, os saltos altos são deveras conhecidos tendo uma forte e vincada aura em volta destes...

Mas já se questionaram sobre a origem desta peça de vestuário e como é que esta adquiriu a forte carga e imagem que transmite?

Segundo o catholicgauze.blogspot, as primeiras aparições ocorreram no Antigo Egipto onde homens e mulheres usavam este artefacto, não se sabendo se seria apenas para termos cerimoniais.

Na Europa Ocidental e descendendo das botas de cavaleiro, em meados de 1400 este tipo de sapatos começam a ser adoptados como um conceito de moda, tendo a altura dos saltos crescido até chegarem a um ponto em que já não eram confortáveis para andar a cavalo.

Em 1533, a futura rainha de França Catherine de Médici, pede para lhe serem feitos uns sapatos que combinassem beleza com o aumento de estatura que pretendia. Rapidamente a moda alastrou e todas as cortes reais e paços nobres europeus passam exigir este artefacto de vestuário.

Associada a uma imagem aristocrática e de riqueza, ambos os sexos os usam até à revolução Francesa em finais do séc. XVIII ter abalado as estruturas e feito desaparecer estes saltos. Estes ressurgem em meados do séc.XIX como peça de vestuário apenas para o sexo feminino. A Revolução industrial e dos transportes e a consequente aculturação europeia realizada pelos outros continentes, fizeram alastar o conceito, sendo por exemplo considerados um elemento moderno no Japão imperial pré-IªGuerra Mundial.

O uso de saltos altos começa a ocorrer ciclicamente ao longo do século XX até aos nossos dias, sendo que ao contrário da década de 20 e 30 onde a afirmação e emancipação da mulher eram fortes temas nos ditos países desenvolvidos, a década de 60 e 70 com as sucessivas ideias de contracultura estes caem um pouco em desuso.

Em meados de 80 e inícios de 90 e por intermédio de vários criadores, estes ressurgem em força, tendo consolidado ao longo dos tempos uma forte conotação com a sensualidade feminina.
Ao longo das décadas a forma e os tamanhos têm vindo a variar. Pese a forte carga e imagem pendente sobre eles, muitos podologistas opõem-se ao uso destes, indicando que o uso de tacões pode causar graves lesões ao nível dos tornozelos, dependendo da altura e largura do respectivo tacão.

Refira-se que se considera um pequeno salto até aos 6 cm, médio entre 6 e 8,5 cm e salto alto de 8,5 para cima.

ver: Wikipédia e catholicgauze.blogspot

5 comentários:

António Nunes disse...

isto sim...isto será oficialmente "bater no fundo"

il _messaggero disse...

Vem aí o carnaval...convém mostrar aos travestis "ocasionais" [e a outros que aproveitam a época para se mostrar] algum background histórico acerca de algumas peças que vestem...

Esperam-se mais dissertações futuras sobre ligas, plumas e pó de arroz...veradeiro serviço público!

Quanto ao bater ou não no fundo, temos de olhar para o lado positivo: agora é sempre a subir...

bob disse...

Oh meu deus isso está mesmo mal de coisas para fazer :P

São já ideias para a festa do Bairro Alto?

il _messaggero disse...

eheh...

humm julgo que não, pese a ideia de vilhoa da madeira fosse válida...

a ratazana queria que fossemos de amarelo com um volamte na mão..ou seja íamos de táxi...eheh

..podias era postar algo sobre isso em jeito de divulgação..

il _messaggero disse...

volamte=volante

lapsus digital