2006-11-16

A Revolta do Anão

A Revolta do Anão

Numa altura em que tanto se fala dos direitos humanos e da crescente discriminação das minorias e dos mais desfavorecidos... então e o anão? Ninguém se lembra destes pequenos pobres coitados.
Eu sei que por vezes mal se notam, mas tal não deve servir de argumento. Há que lutar pela melhoria das condições de vida do anão. Ora vejamos: constroem rampas nos edíficios públicos e nas instituições de lazer para ajudarem os defecientes motores, mas ninguém se lembra do anão. O anão não pode ir a um concerto, ao teatro, ao futebol, cinema... não vê! Deviam colocar umas almofadinhas nas cadeiras dos cinemas para eles. Há dias perguntei qual era o filme preferido do Marques Mendes , e ele não me sobe responder. Disse que preferia os livros... porque será? E o Rui Barros telefonou-me, muito triste, porque não tinha percebido o Maimi Vice. Perguntou-me se era um filme naturalista. Pudera, o homem so viu o céu, o sol e a lua! Para além das almofadinhas deveriam colocar as legendas em cima, no topo do ecrã. Assim, sempre percebiam melhor os fimes. Mesmo que não os vissem, ao menos podiam lê-los!
Deviam ser criadas associações de defesa e apoio ao anão desfavorecido. Imaginem a A.D.A.D.! É que não é só nos cinemas. E nas casas de banho públicas? Nas sanitas? Nos urinóis? Nem em bicos dos pés, eles vão lá. Nem mesmo os mais avantajados, num golpe de grande pontaria, alcansam o alvo pretendido! E o problema é mais grave do que parece. Para além de não puderem satisfazer a sua necessidade, ficam todos salpicados. E so olham de lado, estão tramados, pois são acusados de gays, por ficarem a olhar de frente para as partes mais intímas do companheiro do lado. Isto é uma vergonha. Que custava ao governo colocar uns banquinhos nestes sitios em prol da satisfação da necessidade do anão. Assim não só desfrutavam dos urinóis, como o mais comum dos mortais, como também conseguiam subir para as sanitas. Evitava tantos problemas, não era?
É dificil a vida do anão, especialmente durante as férias, em que sofrem das maiores injustiças! Porque é que pagam o preço de um quarto individual, quando só ocupam metade de uma cama. Está mal! Deviam criar uns pacotes especiais, com uns berçozitos a preços bem mais acessíveis. E se o anão quisesse levar a namorada ou a sua esposa, tratava-se de arranjar um berço de casal e se os filhos fossem, acrescentava-se umas caixinhas de fósforos.
Ninguém acredita nas potencialidades destes humanos pequeninos. Podiam perfeitamente participar nas corridas de fórmula1 e dado o seu peso era vitória atrás de vitória. E na informática também. Entrando nos computadores detectavam e eliminavam qualquer tipo de virús, de uma forma mais eficaz e personalizada. Mas também podiam trabalhar para o governo e em vez de escutas colocava-se um anão nos telefones. Era muito mais credível e evitava imensas confusões.
E eu não estou sozinho nesta luta. Já conto com uma forte aliada, aquela bonita loja, azulada, que todos conhecemos, que remodelou as suas instaslações em defesa dos anões. Todas as lojas deviam ter uma porta semelhante, de modo a que o anões não se sentissem tão inderiorizados.
Meus amigos, reflictam sobre esta problemática e juntem-se a nós. Respeitando as “minorias” e combatendo este tipo de atrocidades, juntos, lutaremos por um mundo lindo e melhor!

2 comentários:

Jay disse...

Aqui na 5 de outubro ha um restaurante para eles... acho que se chama metro e meio.. ou qualquer coisa assim... :P
Quanto aos F1, eles podiam usar as protese do Zanardi

(info: Zanardi é actualmente um piloto de turismo e ex-piloto de F1 que perdeu as pernas num acidente, tornou-se agora no 1º piloto a pilotar um F1 com pernas artificiais... :P)

il _messaggero disse...

Bem-vindo a esta humilde casa...

Ficamos agora à espera do post sobre cavalos...